O Museu Nacional do Teatro e da Dança, tem nas suas atribuições e competências, nomeadamente, “proceder à recolha, conservação, identificação, estudo, integração no seu contexto histórico, exposição e divulgação de espécies relativas ao teatro e a outras formas de espetáculo com ele relacionadas”.

Sendo o museu nacional e o grande arquivo das artes do espetáculo em Portugal, o seu objetivo é recolher, preservar, registar, estudar e difundir as suas coleções, promovendo o conhecimento da história e da atividade contemporânea daquelas artes. A sua missão estratégica é informar, formar, educar e divertir o público que a ele acorre, afirmando-se, de forma clara, como uma instituição de referência na museologia e na história das artes em Portugal.

Inicialmente concebido e dedicado, em exclusivo, à apresentação de exposições temporárias (desde a sua fundação até 2002, puderam ser vistas mais de 20 exposições, dedicadas a Companhias, atores e atrizes, cenógrafos e desenhadores teatrais), em 2003 é inaugurada no edifício principal do Museu (Palácio do Monteiro Mor) a primeira exposição de carácter permanente – “Peças de teatro: as coleções do Museu” -, dando corpo a uma necessidade que, cada vez mais, se ia sentindo e manifestando das mais diversas formas e das quais a voz do público era a mais significativa. Esta exposição, baseada numa estrutura e num percurso permanentes nos quais as peças vão periodicamente rodando, permite uma maior dinâmica museográfica e, em simultâneo, um maior conhecimento e entendimento, por parte dos visitantes, do vasto acervo que constitui este Museu e da forma como as suas coleções estão organizadas nas respetivas reservas.

Na galeria situada no edifício fronteiro à receção/loja continuam a ser apresentadas exposições temporárias dedicadas a todos os aspetos que intervêm nas artes do espetáculo, quer através de coleções pertencentes ao acervo do Museu, quer privilegiando os criadores e a criação contemporânea.