O leitor que percorra as História do Teatro em Portugal encontra, regra geral, muito pouca informação sobre o período posterior a 1750.  De facto, trata-se de uma época conturbada, quer pela ocorrência do terramoto de Lisboa em 1755, que destruíu as salas de espectáculos, quer pela intensa regulação censorial de que o teatro foi alvo.  Contudo, apesar dos constrangimentos que sobre ela se impuseram, a actividade dramática foi objecto de uma intensa reflexão teórica e há notícia da adaptação à cena de obras de dramaturgos italianos, espanhóis e franceses que gozaram do favor do público, lado a lado com alguns autores locais.  Mas estudar a dramaturgia de uma época implica igualmente estudar a forma ou formas que o espaço teatral apresentou.  Deste modo, as autoras procuram analisar a evolução da construção dos diferentes espaços e lugares de representação em Lisboa ao longo deste período, não descurando a vertente cénica e plástica do espectáculo, ou seja a materialidade do teatro.