José CaldasSandra Ramos

      Ex-votos teatrais

 Aos milagres do nosso teatro oferecemos pedaços artesanais do nosso corpo, das nossas criações, guardados nos relicários da alma. O teatro como o lugar do sagrado e do profano em delicada união de opostos. Palco onde nosso corpo é imolado, o ego consumido a procura de coisa maior que ele.
Soma de objetos encontrados, procurados, reencontrados no vulgar dia a dia e transfigurados num extra quotidiano a desafiar o racional.
Na identificação de cada obra reunir cada fragmento, depois polir ou sobrecarregar na intensão de exprimir a sua essência. Desejo incontrolável de fixar o efêmero, dar-lhe memória, como faz nosso povo imortalizado nas fotografias e nos ex-votos que cobrem as paredes dos santuários.
Não esquecermos as graças recebidas - os milagres de cada espetáculo e retribuirmos aqui nestas pequenas oferendas.
José Caldas



José Caldas nasce nasce em Minas Gerais, Brasil.
Estuda Teatro no Brasil, Inglaterra, França e na Escola Superior de Educação pela Arte em Portugal.
Trabalha no Brasil como ator e assistente de encenação em vários espetáculos, entre eles “O Balcão” de Genet, encenaçãoo de Victor Garcia.
Criador de 56 espetáculos em Portugal, França, Itália e Espanha. Entre eles  “Ou isto ou aquilo” - Cecília Meireles;  “A vida íntima de Laura” - Clarice Lispector; “O medo azul” - Perraut ; “Acende a Noite” - Ray Bradbury; “La vie intime de Laura” – Lispector; “La Terza Sponda” – Guimarães Rosa; “As laranxas mais laranxas de todas as laranxas” – Carlos Casares ; “Il Colombre” – Dino Buzzati; As intermitências da morte – Saramago; Bandoleiros Cabaret de José Caldas.

Premiado quatro vezes pela Associação Portuguesa de Críticos Teatrais; prêmio da Biennale Théâtre Jeunes Publics – França e da Associação de Directores, actores e técnicos de Teatro – Galiza – Premio Maria Casares.

Foi professor na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação; Universidade de Évora; Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo; Academia Contemporânea do Espectáculo e Ballet Teatro.

Publicou “O Instante Plural” (Publicações Horizonte); “20 Anos de Teatro e Miscigenação” (Quinta Parede/Fundação Gulbenkian); “30 Anos de Teatro e Jovem Público” (Quinta Parede/Fundação Gulbenkian); “40 Anos de Teatro – Por um teatro popular a partir da Infância” (Quinta Parede/SPA).

Foi Crítico de Teatro em “O Jornal” – Lisboa e “Jornal de Notícias” – Porto.

Fundou o CPTIJ – Centro Português de Teatro para a Infância e Juventude e a ATINJ – Associação de Teatro para a Infância e Juventude, é diretor artístico da Quinta Parede, Associação Cultural.